LIGADOS NO RÁDIO DE PILHA

Um dos trabalhos que fazemos é traçar (e executar) planos de acessibilidade para eventos culturais, oferecendo recursos que alguns públicos necessitam para acessar e fruir, como intérpretes de LIBRAS, pranchas de comunicação ou audiodescrição.

A audiodescrição é um recurso que nos é muito caro. O Coletivo Desvio Padrão vem fazendo audiodescrições de espetáculos desde 2018, buscando maneiras de aproximar a linguagem da descrição à linguagem artística, na pesquisa de uma tradução que respeite os princípios da audiodescrição empoderativa - como a neutralidade e a consistência tradutória - mas que ao mesmo tempo use elementos que possam proporcionar ao usuário a entrada no campo do sensível. Aos poucos, temos desenvolvido um estilo próprio, praticando o que temos chamado de Audiodescrição Radiofônica, onde utilizamos a estética do rádio como proposta sonora durante a transmissão das notas proêmias (informações que antecedem o espetáculo), fazendo uso de sons, músicas, paisagens sonoras, vinhetas, transmissão da auto-descrição dos artistas em cena, do criador falando sobre a obra, entre outros conteúdos.

 

Essa prática - que já foge do campo da audiodescrição ‘pura’ - nos levou a pensar em transmissões que aproximassem o usuário de AD à condição de ouvinte de um conteúdo artístico disponível para além dos olhos e suscitou várias outras idéias que transbordaram para fora dos trabalhos de audiodescrição, como intervenções radiofônicas ambulantes e as ações em parceria com a Rádio a Granel.

Audiodescrições radiofônicas

.